Entrevista de Ricardo Vargas à Mundo PM (Abril/2011)

Ricardo Viana Vargas, 38, é especialista em gerenciamento de projetos, riscos e portfólio. Com 15 anos de atuação no mercado, é autor de dez livros na área, que já venderam mais de 250 mil cópias. Através de sua empresa, a Macrosolutions, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, o consultor de projetos é referência mundial. Pioneiro na América Latina e um dos profissionais do ramo mais requisitados do mundo, ele administra um portfólio de investimentos superior a US$ 18 bilhões em todo o planeta. Em 2009, foi o primeiro latino-americano eleito Chairman do Project Management Institute, maior associação do mundo em gerenciamento de projetos. Engenheiro Químico, com mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e formação em Estratégia e Inovação pelo Massachussets Institute of Technology (MIT), Ricardo Vargas traz toda sua bagagem para ministrar o workshop PMDome, premiado mundialmente pelo PMI como a melhor solução do mundo para o ensino de gerenciamento de projetos, que será realizado no dia 14 de abril, em São Paulo.

 

MundoPM: Quando se tornou um consultor de projetos, embora sua formação seja de engenheiro químico?

Ricardo Vargas: Como a engenharia química e a engenharia de produção em si lidam diretamente com projetos, sempre notei grande interação com a área de gerenciamento de projetos. Mas, de fato, tudo começou quando, há cerca de 20 anos, fui convidado pela Microsoft para estudar e me capacitar para dar suporte técnico ao Microsoft Project, um produto pouco conhecido no mercado brasileiro. Naquela época, o gerenciamento de projetos era ainda parte de um mercado embrionário, mas, hoje, é algo consolidado. Não podemos falar mais em moda, mas sim em tendência.

MPM: Sendo assim, como este serviço se consolidou no mercado?

RV: Com a mudança na forma de se encarar o trabalho, que está cada vez mais focado na execução e no gerenciamento dos projetos, a rotina passa a ter menos espaço na atividade humana. A cada ano, com aplicabilidade aumentada, este modelo se torna mais natural nos processos das empresas, principalmente pela velocidade de informação e a necessidade de excelência, em um mercado cada vez mais dinâmico e mutante. Por isso, o crescimento desta profissão no mundo já é realidade.

MPM: Falando em sociedade da informação, como enxerga as ferramentas digitais e redes sociais neste meio?

RV: Fundamentais. As redes sociais romperam barreiras e tornaram a comunicação mais democrática, rápida e direta. E isso repercute diretamente na área de projetos. Na teia virtual, o maior benefício é poder se comunicar diretamente com o público-alvo e com todos ao mesmo tempo, de forma rápida, algo que tenho usado cada vez mais através do Twitter e Facebook, por exemplo. Meus podcasts acumularam cerca de meio milhão de ouvintes desde quando foram criados. Eu utilizo essa mídia razoavelmente nova para transmitir a todos os interessados, de forma gratuita, opiniões, valores, tendências e técnicas provenientes da minha própria experiência, que transfiro para quem se interessar.

MPM: Quando falamos em consultoria de projetos, a abrangência é “infinita”?

RV: Podemos dizer que sim. Presto serviços para qualquer tipo de projeto. Já atuei para refinarias, hidrelétricas, bancos, eventos, construção, dentre muitos outros. Um exemplo seria a reconstrução do Japão, após o recente Tsunami, que deve e tem que ser pensada como um projeto. Também trabalhamos com esse tipo de consultoria e apoio. A essência da “coisa”, por assim dizer, é planejar antes para ter resultados e pensar antes de executar, com implantação rápida. Esses fatores podem ser, inclusive, aplicados em uma situação de tragédia, como ocorreu no país asiático.

MPM: O que é o PMDome?

RV: De modo geral, o PMDome é um treinamento no formato oficina que aborda de maneira prática os principais processos do PMBOK®. O principal objetivo é motivar as pessoas a entenderem a importância do planejamento. Além disso, a oficina traz resultados práticos, ao ensinar a “fazer fazendo” e não apenas escutando, como funciona a maioria dos modelos de treinamento. Otimizar resultados e reduzir prazos são duas das principais metas, por exemplo.

MPM: Um dos principais destaques do workshop foi resultado da originalidade. Como manter esse diferencial? Quais são os diferenciais?

RV: A originalidade está na forma com a qual construímos o workshop, com forte embasamento teórico. Parceiros, como José Finocchio Jr. e Danúbio Borba, também especialistas em gerenciamento de projetos, foram fundamentais no desenvolvimento das técnicas e na “cara” do evento. Quando se tem uma proposta original, ela é insubstituível e única. Esse é o grande diferencial.

MPM: Como o grande segredo do sucesso do PMDome é fruto da originalidade, como evitar o plágio?

RV: Infelizmente, existe plágio, mas não nos incomoda por um simples motivo: quem copia só copia porque não tem capacidade de criar. E o cliente sabe disso. É igual comprar uma bolsa de luxo falsificada. Aparentemente parece a mesma coisa, mas não é. No final das contas, isso acaba por nos estimular a produzir conhecimento e ter novas ideias permanentemente, o que é extremamente gratificante.

MPM: Sua atuação, embora tenha alcance internacional, não envolve parcerias ou uma equipe direta. Porque você fez questão de citar nominalmente seus parceiros no PMDome?

RV: Simplesmente pelo fato do Finocchio e do Danúbio serem brilhantes. Inclusive, a ideia inicial de tudo veio de uma “maluquice” didática do Finocchio. E maluquice que dá certo é coisa de gente brilhante mesmo. Ele inclusive vai ministrar comigo o workshop PMDome, em São Paulo.

MPM: Qual a expectativa para o workshop em São Paulo, em abril?

RV: Realizamos este treinamento em 2007, 2008 e, agora, o retomamos em 2011. A expectativa é das melhores possíveis, principalmente porque o público é muito direcionado. São cerca de 120 pessoas extremamente focadas e interessadas em adquirir a experiência prática de planejar e executar um gerenciamento de projetos com todas as limitações, riscos e desafios de um trabalho ágil em equipe.

MPM: Como funciona?

RV: Os participantes são divididos em equipes e desafiados a competirem entre si. A equipe vencedora será aquela que demonstrar os mais altos padrões de desempenho no gerenciamento de projetos. O workshop foi criado para gerentes que querem dominar os principais processos de gerenciamento, mas que não se satisfazem com uma exposição teórica.

MPM: Como é ser reconhecido como único latino-americano que chegou ao posto mais alto do Project Management Institute?

RV: Acredito que tudo é fruto de dedicação imensa, que gera resultados múltiplos para todos envolvidos. Considero-me a pessoa mais feliz do mundo por amar o que eu faço. O que deve servir de base para o jovem, a partir de minha experiência, é que ele não coloque o dinheiro à frente dos resultados e conquistas do trabalho, pois a satisfação financeira vira algo crescente quando se está em algo em que se acredita. Sempre apostei com coragem em fazer a diferença e creio que, dentre outros fatores, este foi um fundamental.

Fonte: MundoPM

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *